Sem maus-tratos: circo troca animais por hologramas realísticos

Sem maus-tratos: circo troca animais por hologramas realísticos


Um circo fez uma mudança radical nas suas práticas e passou a usar hologramas em vez de animais verdadeiros. A novidade, segundo o site alemão RP Online, passou a valer no último ano, depois do circo parar de usar bichos reais em 2017. Quem vai ao Circus Roncalli desde então passa a ver um espetáculo com hologramas 3D e uso de CGI - imagens geradas por computadores.



No lugar das exóticas criaturas em carne e osso, surgem diversos bichos por meio de hologramas: cavalos, peixe gigante e até o tradicional elefante com seus atos, tão comum em circos pelo mundo. Sem os animais exóticos, o show é composto pelas imagens em hologramas juntamente a efeitos sonoros. Os hologramas foram feitos pela companhia Optoma, que publicou um vídeo mostrando parte do show deste "novo circo". A ideia é que o público tenha a mesma experiência de um circo real, mas que a criticada prática de adestrar bichos e mantê-los enjaulados não ocorra neste "novo circo.

O Circus Roncalli, como tantos outros ao redor do mundo, fazia espetáculos normalmente com animais adestrados, mas foi diminuindo o número de criaturas nos últimos anos. Em 2017, só restavam cavalos treinados que ficavam apoiados apenas nas duas patas traseiras quando solicitado, por exemplo. À época da decisão pelo fim do uso de animais, Markus Strobl, diretor de mídia do circo, apontou que a decisão visava o "bem-estar" dos bichos. É sabido, também, que a mudança envolve uma decisão de logística, já que o circo gosta de fazer shows em áreas centrais das cidades, como em praças que não oferecem locais para abrigar animais nas redondezas.
 
Fonte: Noticias Uol

Economia Sustentável


Newsletter